PM invade apartamento e agride universitárias com cassetete; assista

Um apartamento de quatro estudantes da Universidade de Santa Catarina (UDESC), em Lages, foi invadido por um policial militar que mora no mesmo condomínio. As jovens foram agredidas com um cacetete na noite desta segunda-feira (3) após comemorarem a aprovação do Trabalho de Conclusão de Curso ( TCC ) de uma delas.

A comemoração não teve aglomeração, porque as mulheres moram juntas. As confraternizações são permitidas no prédio até às 22h. O policial teria invadido o apartamento às 22h01. Ainda assim, o vizinho que atua no 6º Batalhão da Polícia Militar e a esposa dele entraram no apartamento para realizar as agressões.

Um vídeo circulou na internet mostrando o momento em que o policial e a esposa aparecem agredindo e xingando as estudantes. O homem ameaça as jovens, enquanto segura um cassetete nas mãos.

Assista ao vídeo:

As jovens registraram um Boletim de Ocorrência (BO) e realizarão o exame de corpo de delito nesta terça-feira (4).

Um buzinaço foi organizado pelas alunas da UDESC contra o machismo . O percurso tem início na universidade e termina no batalhão da PM. O gesto acontece em solidariedade às colegas e tem início a partir das 18h30.

Posicionamento do Batalhão

O 6º Batalhão da Polícia Militar informou por meio de nota ao portal R7 que instaurou um inquérito para apurar os fatos.  A informação é que o policial envolvido nas agressões já estava afastado por ser do grupo de risco diante da Covid-19 .

“A Instituição afirmar tratar-se de um fato isolado que não condiz com a formação e a preparação dos policiais militares catarinenses. Ressalta ainda, que não coaduna com qualquer conduta irregular, bem como violência contra mulher “.

 

4 Comentários

  1. Estranhamente, o vídeo não condiz com o Texto, o cara realmente está com um cacete na mão, enquanto a mulher de preto o agride verbalmente, mas ele não agride ninguém, quando a mulher dele vai pra cima de uma das mulheres, ele ainda fala “deixa essa bosta aí” as mulheres se atracam e ele separa, infelizmente existem pessoas mau educadas que não respeitam o direito e sossego alheio e ainda ofende quando é questionado. Nesse prédio é permitido comemorações, mas a lei estabelece um limite de decibéis para poluição sonora, sabe-se lá o nível da comemoração dessas 4 mulheres…

  2. Concordo que o texto diverge com a gravosidade observada no vídeo, entretanto, o remédio contra violações do silêncio geralmente inclui multa, advertência, e em caso de uso de medidas ostensivas de uso da força ou medidas dissuasivas (ainda que semelhantes a um vulgo terrorismo psicológico, ao agitar o cassetete) passa por um procedimento institucional e não particular como o PM parece ter atuado.

  3. Concordo que o texto diverge com a gravosidade observada no vídeo, entretanto, o remédio contra violações do silêncio geralmente inclui multa, advertência, e em caso de uso de medidas ostensivas de uso da força ou medidas dissuasivas (ainda que semelhantes a um vulgo terrorismo psicológico, ao agitar o cassetete) passa por um procedimento institucional e não particular como o PM parece ter atuado. Ahh, não podemos deixar de reforçar que a inviolabilidade do lar é uma previsão constitucional!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *