Casos diários de Covid-19 na Índia superam Estados Unidos e Brasil

A Índia, o segundo país mais populoso do mundo, registrou oficialmente o maior número de novas mortes e novos casos de Covid-19 no sabádo (1/08).

O país superou os Estados Unidos e o Brasil — o primeiro e o segundo no mundo, respectivamente, com o maior número total de casos e mortes.

No entanto, não está claro se os EUA ou o Brasil poderão ultrapassar a Índia novamente em seus números diários. Nosso gráfico mostra os números caindo significativamente nos dois países desde o fim de semana e não está claro se essa tendência continuará durante a semana.

Pode haver um atraso nos relatórios no fim de semana, que ainda podem ser contabilizados.

Também não coloca os números dos casos no contexto da população: a Índia tem uma taxa de mortalidade por coronavírus de cerca de 2,9 a cada 100 mil pessoas. Já os EUA e o Brasil têm uma taxa de mortalidade de 47,5 e 45,2, respectivamente.

Mas os números mais recentes mostram que o surto na Índia não está perdendo força. Resta aguardar para saber se a Índia, que impôs um dos mais rígidos esquemas de bloqueio do mundo, é capaz de achatar a curva.

Epicentro da doença

Há dois meses, especialistas já previam que a Índia se tornasse o epicentro de infecção do novo coronavírus. Na época, seis meses após registrar seu primeiro caso, o país ultrapassou a Rússia e se tornou o terceiro país com o maior número de casos do mundo.

Os cientistas ressaltavam já na época que os dados ainda eram pouco confiáveis e não refletiam o real número de casos, pois o país tinha uma baixa testagem da população e uma taxa de mortalidade incomumente baixa.

Indiano fazendo teste para a Covid-19
GettyImages/BBC

Há dois meses especialistas apontavam que a Índia seria o país com mais casos e mortes por Covid-19

Porém, eles analisaram que o país teria o maior número de mortes e de casos principalmente por conta de outros fatores além da baixa testagem.

Um deles é que os casos de covid passaram a aumentar de maneira exponencial, contabilizando seguidos recordes. Isso levaria, consequentemente a uma superlotação dos hospitais e uma elevação do número de mortos.

A Índia é um dos casos em que a curva diária de mortes por covid-19 praticamente não parou de crescer desde o começo da pandemia.

Inicialmente, o país registrou poucas mortes, quando a Europa e os Estados Unidos enfrentavam o pior momento da doença.

Nos primeiros meses, críticos disseram que a quarentena imposta pelo governo do premiê Narendra Modi matou mais pessoas do que o coronavírus em si.

Modi decretou o fechamento de diversos setores da economia, provocando um êxodo de trabalhadores pobres para o interior. Muitos não teriam condições econômicas de seguir nas grandes cidades sem emprego e optaram por voltar às suas cidades de origem, onde poderiam ficar perto de seus familiares.

Mas os sistemas de transporte e estradas não deram conta do fluxo de pessoas, e muitos morreram atropelados quando enfrentavam jornadas de centenas de quilômetros a pé. Modi pediu desculpas pelos problemas ocasionados pela quarentena.

Hoje, o governo da Índia vem sendo acusado por críticos de ignorar a pandemia. Autoridades sequer reconhecem que existe transmissão comunitária do vírus.

O que funciona para combater o vírus?

  • Lavar as mãos com frequência é básico e é o que vem sendo apontado como mais eficaz;
  • Não botar a mão na boca, no nariz ou nos olhos também evita levar o vírus para as mucosas do corpo, por onde ele também entra. Entra também por via aérea, ou seja, alguém tosse, espirra e você respira aquilo;
  • É fundamental usar lenço na hora que tossir ou espirrar e jogar aquele papel fora na hora;
  • Manter hábitos saudáveis para fortalecer a imunidade. Ou seja, dormir a quantidade de horas certas para a sua idade, alimentar-se bem, manter-se hidratado, fazer exercícios físicos regularmente e tentar reduzir o estresse;
  • Inicialmente, não havia recomendação para uso de máscaras, mas a proteção agora tem sido recomendada ou até exigida principalmente para uso em ambientes fechados.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *